terça-feira, 11 de março de 2008

Manutenção Preventiva – O Que Devo Comer?



A nutrição é uma disciplina no limiar e na convergência de outras como por exemplo, a medicina, a pratica de desporto, a química, a biologia… Todas estas disciplinas tem no seu âmbito uma componente nutricional quer ao nível do tratamento de doenças, da potencialização de performance ou investigação, no entanto qual a dieta mais eficaz para um transeunte que não sofre de qualquer patologia, que não quer ser modelo ou correr nos jogos olímpicos? Segundo Andrew Weil, a não existe resposta correcta, nem resposta errada. No seu livro Saúde e Medicina Natural deixa algumas dicas para planear uma dieta saudável: mais do que comer legumes, variar a alimentação, comer alimentos frescos ou equilibrar a dieta, escolhemos, entre essa dicas, debruçarmo-nos sobre algo muito mais simples:
1) Comer com os sentidos e não com o intelecto: comer é um dos grandes prazeres da vida e uma dieta saudável não deve constituir um sacrifício mesmo que deixe de comer alimentos que adore. Comer algo que não gosta só porque alguém diz que são bons para si, não é escutar a sabedoria do nosso corpo. O paladar e o olfacto são excelentes guias para aquilo que é bom para nós.
2) Faça experiências com a sua alimentação: uma das maneiras de descobrir o que deve comer para usufruir o melhor possível da sua alimentação é experimentando. Experimentar novos alimentos e novas combinações. Repare que o seu interesse e a forma como aprecia cada alimento varia conforme os alimentos com que estão combinados ou a maneira como estão cozinhados (Por exemplo, quantas pessoas não gostam de queijo, mas apreciam um esparguete á bolonhesa ou uma tosta mista? Quantas pessoas não gostam de ovos cozidos mas adoram ovo estrelado?). Quiçá uma dos alimentos que mais detesta pode ser um dos que mais gosta.
3) Comer com toda a atenção e prazer: fazer as refeições enquanto ouve as noticias na televisão não esta a dar ao acto de comer a atenção necessária. Se comer stressado, zangado, ansioso ou distraído o corpo não vai processar bem os alimentos por muito bons que eles sejam. O sistema digestivo reflecte o estado de espírito, razão pela qual tantos distúrbios digestivos estejam relacionados pelo stress ou a ansiedade.
4) Aprender a apreciar comida simples: Se não se conseguir imaginar a comer milho ou pão sem manteiga, salada ou tomate sem muito tempero, salmão ou tamboril simples, melão sem gelado ou presunto, morangos sem açúcar (ah ah), sugerimos que tente apreciar os sabores puros destes e outros alimentos simples. Não estamos a dizer que deve basear a sua dieta a pão e água ou deixar de experimentar iguarias ou pratos estrangeiros.
Como viram decidimos falar mais sobre o ritual de comer do que sobre a ciência do comer. Não queremos que ponham de lado toda a ciência de lado ou comecem a comer chocolates atrás de chocolates ou fazer salteados de gomas. Nada disso. Queremos apenas que não sacrifique os seus sentidos e o prazer em nome de uma dieta rigorosa.



Divirta-se a comer, divirta-se a cozinhar, divirta-se com a sua dieta.
(adaptado de Saúde e Medicina Saudável de Andrew Weil)

1 comentário:

Óscar Alho disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.